Antecipação de recebíveis

Veja a diferença de factoring, FIDC e banco para sua antecipação de recebíveis

Por 20 de março de 2019dezembro 17th, 2019Sem comentários
Diferença de factoring, FIDC e banco

Já explicamos aqui no blog o quanto a antecipação de recebíveis pode ser essencial para o equilíbrio das contas de uma empresa. Trata-se de uma alternativa prática e inteligente para manter as operações sem depender de empréstimos. Mas para que você possa aproveitar todos os benefícios, é preciso saber qual a diferença de factoring, FIDC e banco.

Isso porque, em geral, são esses três tipos de instituições financeiras que oferecem a antecipação de recebíveis. Existe, no entanto, algumas diferenças fundamentais em cada um deles e que devem ser pesadas para que você tome a melhor decisão de acordo com as necessidades da sua empresa. Essas diferenças têm a ver com agilidade na disponibilização dos recursos, burocracia envolvida e taxas aplicadas.

Então, siga com a gente neste artigo para entender as características da antecipação de recebíveis feito por cada uma das instituições financeiras que oferecem essa solução!

A diferença de factoring, FIDC e banco

Para entendermos a antecipação de recebíveis em cada uma dessas empresas, precisamos falar de dois aspectos importantes: o modelo de operação de cada uma delas e a submissão aos riscos que cada uma acumula com a sua atuação. Essas duas características são fundamentais para você compreender as práticas nos diferentes negócios.

Primeiramente, tratemos dos riscos. Neste caso, toda pessoa física, por exemplo, sabe que um empréstimo consignado é mais barato que o cheque especial. Isso por uma razão muito simples: as garantias de recebimento do cheque especial são menores do que no crédito consignado, que desconta diretamente na folha de pagamento do tomador de empréstimo.

Por conta disso, o cheque especial naturalmente terá taxas mais elevadas, porque elas compensam o risco igualmente maior. Mas por que esse exemplo é importante? Bom, a relevância se dá pelo primeiro aspecto que apontamos como sendo importante: o modelo de operação que define a diferença de factoring, FIDC e banco.

O princípio das três é o mesmo na prestação desse serviço: a compra de recebíveis. Quer dizer, uma empresa vende o seu direito de receber por algo que vendeu a prazo. A instituição financeira paga pela compra desses direitos e o cedente tem acesso a esse valor como se a comercialização tivesse sido paga à vista.

No caso das factorings, o negócio delas é justamente a aquisição de recebíveis. As operações são mantidas por conta da taxa de deságio e das taxas pagas pelo cedente. Por conta disso, o custo da operação nessas instituições financeiras costuma ser maior. Em contrapartida, a burocracia para aprovação da transação é mais simplificada.

Nos bancos, como eles trabalham com uma gama maior de serviços financeiros, as taxas aplicadas podem ser menores se comparadas às factorings. Entretanto, a burocracia também é maior, justamente para que uma operação não afete o funcionamento de outra. Dessa maneira, eles conseguem manter um equilíbrio entre todos os serviços prestados, sem assumir riscos muito altos.

Os FIDCs (Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios) também costumam praticar taxas inferiores às factorings. Isso acontece porque os recebíveis são transformados em lastro para o fundo de investimentos. Dessa maneira, o crédito da dívida vira um título capaz de render no mercado, e é a partir desse rendimento que um FIDC mantém sua operação.

Além disso, o FIDC desobriga o pagamento de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), o que costuma reduzir o valor de deságio pago pela venda dos recebíveis. Desse modo, este costuma ser um bom tipo de empresa para negociar seus direitos creditórios.

Em resumo, portanto, podemos concluir que a diferença de factoring, FIDC e banco é que as factorings têm uma taxa maior, mas menos burocracia. Os bancos praticam taxas mais elevadas, mas a burocracia é maior. E os FIDCs são menos burocráticos que os bancos, têm taxas inferiores às factorings e ainda não cobram IOF.

Mas além dessa questão da facilidade de negociação dos seus direitos creditórios, é essencial buscar uma empresa que ofereça uma resposta rápida ao seu pedido de antecipação de recebíveis. E aí o seu filtro começa a ficar ainda maior. Quer dizer, não basta escolher a melhor instituição a partir da a diferença de factoring, FIDC e banco. É necessário ainda, após selecionar a financeira que está mais alinhada às suas necessidades, verificar a que melhor vai lhe atender.

E nesse aspecto a Valorem é uma ótima solução. As taxas praticadas pela Valorem são as mais competitivas do mercado, o processo de análise dos seus cheques e duplicatas é rápido e a resposta ao seu pedido de antecipação de recebíveis é dada no mesmo dia. Além disso, contamos com profissionais qualificados capazes de oferecer o atendimento mais personalizado possível.

Para entender melhor como atuamos, conheça a nossa cultura e fale com a gente! Se preferir, deixe sua mensagem no espaço abaixo e tire todas as suas dúvidas. E para entender melhor os benefícios da antecipação de recebíveis, faça o download do nosso e-book sobre este assunto no botão abaixo. É só clicar e baixar gratuitamente!

Comente